Saturday, March 25, 2006

INTRODUCAO

Actualmente, através da engenharia genética é possível introduzir e tornar funcional, num ser vivo, um gene proveniente de outro ser vivo de uma espécie diferente. Esta técnica permite criar microrganismos capazes de sintetizarem proteínas com interesse comercial e alterar características de plantas e de animais.

A introdução de genes humanos em bactérias permitiu, por exemplo, a produção em massa de insulina e de vacinas. Deste modo, obtêm -se
grandes quantidades desse produto, permitindo assim o seu baixo custo.
No entanto, apesar dos seus benefícios inegáveis, estas modificações genéticas levantam sérias preocupações éticas relacionadas com eventuais impactos negativos sobre o ambiente, a saúde pública e a sociedade e os seus valores.

A SUA APLICACAO

A engenharia genética, possibilita a aquisição de produtos fulcrais, para um bom nível de vida do ser humano, pois um dos diversos exemplos e a insulina. Esta resulta do isolamento do gene de interesse, em que intervêm enzimas de restrição, estas mesmas vão ser responsáveis pelo corte do plasmideo que funciona como vector (transporta o material genético para o interior da célula hospedeira), que posteriormente se vai dar a sua juncao, com o gene de interesse, com o auxilio das Ligases de DNA. Deste modo, esta nova molécula de DNA recombinante, vai ser posteriormente inserido no interior de bactérias, para se proceder a sua clonagem e obtenção em grandes quantidades da proteína desejada.

Outros exemplos da sua aplicação são:

. Melhorar a qualidade nutricional dos alimentos;

. Produção de produtos humanos, como o harmónio e proteínas de coagulação;

EXISTEM 3 TECNICAS DE ENGENHARIA GENETICA

. DNA RECOMBINANTE

. DNA COMPLEMENTAR

. DNA FINGERPRINT

A ENGENHARIA GENETICA POSSIBILITA:

-Clonagem
-Terapia genética
-Mapeamento do sequenciamento genômico

-Decepçãogenética

IMPERIALISMO GENETICO IMPÕE-SE

Os seis países que mais exportam e os mais interessados na manipulação genética de alimentos, para assim obter maiores e melhores colheitas de cerais, estão a vetar a assinatura de um protocolo para regular o mercado internacional dos alimentos transgénicos. Segundo o greenpeace os seis países, com os ESTADOS UNIDOS a cabeça estão impedir que o resto do mundo de estabelecer um acordo que todos desejam.

ENGENHARIA AO SERVICO DO CORPO HUMANO

O departamento dirigido por José Cavalheiro, desenvolveu vidro cerâmico utilizado na reconstituição do tecido ósseo no ouvido; uma forma de madeira que pode ser usada em próteses terapêuticas.

O mesmo departamento encontra-se a estudar uma membrana que existe nos camarões, que pode em certas aplicações dentarias funcionar como base de fixação.

COMO GERIR OS SEUS FACTORES POSITIVOS E NEGATIVOS

A racionalidade, neste caso, tal como em muitos outros é a melhor via para os resolver. Deste modo, a racionalidade implica que se permita pesquisar e explorar todas as potencialidades positivas, benéficas aos seres humanos e ao meio ambiente que ela proporciona e bloquear os perigos inerentes a sua utilização. Em suma, pesquisas e praticas biotecnológicas relativas ao combate de doenças, melhorias produtivas e preservação e melhoramento do meio ambiente devem ser estimuladas, sempre de acordo com a regulamentação. Pelo contrario, técnicas e pesquisas relativas a clonagem de seres humanos, por exemplo devem ser totalmente proibidas.

A SUA IMPLICACAO ETICA

Pela sua natureza, o desenvolvimento da engenharia genética, tem gerado polémicas éticas – morais, sobretudo devido a manipulação da herança genética de seres vivos com fins eugenicos, isto é, a depuração de espécies ou raças com a finalidade de criar uma raça por meos não naturais.

A engenharia genética conheceu em 1993, uma das maiores constetacoes, devido a clonagem do primeiro embrião humano. A partir deste momento, começou-se a especular a criaccao de uma super raça humana (por exemplo, copiar artificialmente indivíduos que apresentem genotipos óptimos para fins militares.)

Cientistas desenvolvem novos transgênicos

O pesquisador J. Perry Gustafson, divulgou seu trabalho de desenvolvimento de uma variedade de trigo tolerante ao alumínio usando um gene de centeio. Ele afirma que a semente geneticamente modificada (GM) é mais fácil de ser cultivada no solo onde o alumínio está presente, ou seja, cerca de 40% da terra cultivável no mundo.

Segundo este, com a identificação desse gene, torna-se possível sua transferência para o trigo através de selecção assistida por marcadores e cultivo convencional.

Arroz transgênico é mais saudável, diz estudo

Uma pesquisa recente publicada pela Academia de Ciências da China apontou que o plantio do arroz geneticamente modificado (GM), resistente a insetos, não só contribui para a diminuição do uso de pesticidas, mas também melhora a saúde dos agricultores e incrementa benefícios comerciais.

Segundo afirmou um dos pesquisadores, Jikun Huang, à revista Science, foram registradas menos enfermidades entre os agricultores de arroz causadas pelo uso de substâncias químicas depois que se reduziu o uso de pesticida em 80%.

A China é um dos maiores exportadores de arroz e está prestes a comercializar o tipo geneticamente modificado. Os resultados preliminares da pesquisa indicam que existem potenciais vantagens nesse tipo de arroz, como melhorar a competitividade chinesa na comercialização.

De acordo com os cientistas, um dos últimos obstáculos a serem vencidos para a comercialização do novo arroz é a realização de estudos independentes que comprovem os benefícios para a saúde dos agricultores e consumidores.

Biotecnologia pode tratar reumatismo com eficácia

Especialistas que participaram no Congresso Europeu de Reumatismo Eular, em Viena, afirmaram que a biotecnologia abre novas possibilidades de tratamento aos doentes de poliartrite crónica.

Eles disseram que a combinação dos remédios básicos tradicionais, com os novos medicamentos de biotecnologia alcançam um grau de eficácia muito superior no tratamento desses pacientes. Segundo os cientistas, no processo, esses remédios desempenham um papel importante os anticorpos monoclonais que bloqueiam o factor de necrose alfa, impulsor das inflamações.

No entanto nem todos os pacientes terem apresentado a reação desejada, assim serão necessários novos remédios que influam de outra maneira na poliartrite crônica, como "rituximab", que se compõe de anticorpos monoclonais empregados até agora no tratamento de uma forma de leucemia, o "linfoma não Hodgin".

Para prevenir a poliartrite crônica, é necessário comer muita fruta e verdura, e evitar o cigarro.

Frangos transgênicos podem combater gripe aviária

Uma equipe de cientistas do Reino Unido estuda um projecto para criar frangos geneticamente modificados para combater a gripe aviária, publicou neste sábado o The Times.

Os pesquisadores querem produzir um frango imune ao vírus H5N1, que provocou o sacrifício de milhões de aves em vários países do sudeste da Ásia.

Se a técnica resultar, ainda demorará vários anos até que se possa usá-lo para substituir os frangos normais das fazendas, já que era necessária a aprovação dos organismos reguladores pertinentes. Deste modo, o repovoamento das fazendas com essa ave transgênica tornaria mais difícil a mutação do vírus e sua consequente transmissão para os humanos.

Os cientistas já comprovaram que as células dos frangos podem resistir à doença mediante a inserção de pequenos segmentos de material genético e, agora, desejam utilizar o mesmo procedimento com ovos. Em suma, esta descoberta traria inúmeros benefícios a população mundial

Hospitais iniciam terapia com células-tronco

O tratamento experimental com células-tronco de pacientes com doenças cardíacas graves começa efetivamente hoje no Instituto Nacional de Cardiologia de Laranjeiras (INCL), no Rio de Janeiro, no Instituto do Coração (Incor), em São Paulo, e no Hospital Santa Isabel, em Salvador..

Ao todo, 1.200 voluntários foram selecionados para participar da pesquisa. Destes, 600 receberão tratamento convencional e o restante (600) tratamento convencional. O objetivo do trabalho é comprovar a eficácia da terapia empregada e verificar a viabilidade de substituição dos tratamentos cardíacos tradicionais pelo tratamento com células-tronco.

A pesquisa desenvolvida pelo Brasil (Estudo Multicêntrico Randomizado de Terapia Celular em Cardiopatias) é considerada a maior já realizada no mundo com células-tronco para a cura de doenças cardíacas graves, como enfarto agudo do miocárdio, doença coronariana crônica, cardiopatia dilatada e insuficiência cardíaca decorrente do Mal de Chagas

Milho transgênico altera ratos, diz estudo

Uma pesquisa realizada pela multinacional Monsanto apontou que ratos alimentados com uma dieta rica em milho geneticamente modificado (GM) desenvolveram rins menores e alterações em seu sangue.

Segundo o relatório, confidencial e mantido sob segredo, esses problemas de saúde não apareceram em outro conjunto de roedores, alimentados com produtos convencionais, para servir de grupo de controle para comparação dos resultados.

O novo estudo da Monsanto é feito com um milho, com codinome MON 863, que foi modificado para se proteger contra uma larva de besouro, que a empresa descreve como "uma das pragas mais perniciosas a afectar plantações de milho ao redor do mundo".

Deste modo, qualquer decisão de permitir que o milho seja comercializado no Reino Unido irá causar "alerta generalizado". Os detalhes completos da pesquisa com os ratos estão no relatório principal, que a Monsanto se recusa a divulgar por considerar que ele "contém informações confidenciais de negócios que poderiam ter uso comercial por nossos competidores".

Nascem dois clones bovinos com risco de extinção

A Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária) anunciou o nascimento de dois clones bovinos. De acordo com a entidade, o facto tem um sentido especial por serem clones de uma mesma vaca doadora de uma raça em alto risco de extinção, com um número de animais inferior a 100 em todo o país.

"Potira e Porã", como são chamadas as novas bezerrinhas, são clones de uma mesma fêmea bovina da raça Junqueira, que faz parte do Programa de Conservação e Uso de Recursos Genéticos Animais da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, unidade da Embrapa, que deu mais um passo importante para unir a moderna biotecnologia animal ao resgate de parte da história brasileira, com a preservação de raças em extinção

A Embrapa investe na conservação de raças de animais domésticos ameaçadas de extinção desde 1980, em parceria com outras instituições de pesquisa, universidades e criadores. As raças, que envolvem as espécies bovina, suína, caprina, ovina, asinina, bubalina e eqüina, encontram-se no Brasil desde a época da colonização e, por isso, podem ser consideradas verdadeiros tesouros genéticos para programas de melhoramento, pois possuem características de rusticidade, adaptabilidade e resistência a doenças e parasitas adquiridas ao longo dos séculos. Muitas delas encontram-se em risco de extinção, pois foram sendo substituídas por outras consideradas mais produtivas, ainda que menos adaptadas.

Segundo Arthur Mariante, a clonagem é uma tecnologia importante para raças muito ameaçadas de extinção, como é o caso da Junqueira, pois pode resultar na formação de núcleos de conservação de fêmeas clonadas, sobre as quais pode-se utilizar sêmen de diversos touros, contribuindo assim para aumentar a variabilidade genética, o que é fundamental para a restauração da raça.

A clonagem

As duas bezerrinhas são clones de uma mesma vaca doadora, a fêmea bovina da raça Junqueira de número 203, que está sendo conservada no Campo Experimental Sucupira, de propriedade da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia. "Porã", que nasceu no dia 10 de abril, pesando 25 kg depois de 292 dias de gestação, e "Potira" no dia 24 de abril, com 29 kg e 290 dias de gestação, foram clonadas a partir de um pedaço da orelha da vaca doadora, quando ela tinha nove anos de idade.

As duas nasceram de parto normal, saudáveis, e estão sendo monitoradas desde a gestação e o nascimento pela equipe da Embrapa quanto aos aspectos comportamentais, genéticos e de desenvolvimento e pela equipe da. Faculdade de Medicina Veterinária da UnB, coordenada pelo professor José Renato Junqueira Borges, quanto aos aspectos clínicos. A empresa Genomax realizou os testes de DNA que comprovaram que o perfil genético das bezerrinhas é igual ao da vaca doadora, e diferente dos perfis das mães de aluguel.

Projeto ajuda a melhorar genética do café

O Projecto Sol, uma iniciativa internacional que reúne 30 países e mais de 300 cientistas para desenvolver estudos de genômica comparativa entre as mais diversas espécies vegetais, vai gerar benefícios directos para os programas de melhoramento genético do café. Os estudos desenvolvidos até o momento já demonstraram muitas semelhanças genéticas entre as plantas das famílias das rubiáceas, da qual faz parte o café, e das solanáceas, que engloba batata, tomate e berinjela, entre outras. Esse facto é muito positivo para acelerar o seqüenciamento do café porque a manipulação genética do tomate (que é a que mais se parece com o café em termos de estrutura genética) já está bastante avançado, pois vem sendo desenvolvido por oito países.

Transgênicos podem trazer benefícios financeiros

A RIRDC (Australia's Rural Industries Research and Development Corporation) publicou recentemente um estudo sócio - económico que prevê e calcula as perdas e ganhos que podem ser obtidos com as plantas geneticamente. Os ganhos potenciais globais da adopção do milho, da soja GM podem ser de US$ 4 biliões anuais. Já a China e a Índia serão fortemente beneficiadas com a adopção do arroz e do trigo transgênicos -modificada

Polly é esperança para a medicina

Com a ovelha Polly, primeiro clone animal de um gene humano, nascem novas esperanças para a pesquisa médica, especialmente para as doenças de origem genética e os transplantes de órgãos. Polly, que teve sua primeira foto oficial foi publicada ontem, possui quatro irmãs transgênicas. Elas foram obtidas através da mesma combinação de técnicas.

O Instituto Roslin, de Edimburgo, na Escócia, que já surpreendeu o mundo em fevereiro passado com a ovelha Dolly, o mamífero clonado a partir de uma célula adulta, voltou a chamar a atenção com Polly. Os pesquisadores combinaram pela primeira vez a técnica da clonagem a partir de células de embrião com a da mutação genética. A novidade não é a implantação de genes humanos em animais. Isto já foi feito em porcos, cujos pulmões e fígado são muito parecidos com os humanos e representam uma fonte potencial de órgãos para transplantes.

' Polly é a demonstração de que podemos modificar geneticamente as células e depois criar animais transgênicos

A operação foi um sucesso em três das cinco ovelhas, efectivamente portadoras de um gene humano com um interesse terapêutico

Os cientistas terão ganho realmente a aposta se, quando Polly e suas irmãs se reproduzirem, transmitirem o gene humano para a sua descendência.

James já tem a visão de 'rebanhos portadores de grandes doses de proteínas altamente terapêuticas'. Ovelhas, vacas ou porcos, autênticas fábricas de proteínas humanas de uso médico ou de órgãos para transplante 'humanizados'. O produto final poderá ser manipulado geneticamente para resistir a doenças animais ou para reproduzir nas ovelhas doenças humanas, transformando-as em valiosas cobaias para os tratamentos médicos.